sexta-feira, 16 de abril de 2010

Sinto um cheiro de caçada no ar


E a vítima da rodada parece ser o Guilherme Assis. Hmm, vejamos quem está à captura do rapaz. Ah... Só a fina flor da sociedade monlevadense. Aquela que não fala sem pensar, que checa todos os dados, que não manipula as circunstâncias e que não ergue tribunais de exceção.

Estado de greve, estado de graça, estado de choque, estado de sítio. Estado de perplexidade da minha parte, sem entender porque a celeuma de agora. Guilherme é um cara íntegro, combativo como eu já disse, jovem e determinado a fazer diferença neste mundo.

Em estado de greve os servidores municipais efetivos estiveram. Então, ponto para o Guilherme.

Em estado de graça os servidores municipais comissionados estiveram, porque Gustavo Prandini havia acabado de passar por um duro teste em sua carreira política ainda incipiente. E cada um dos comissionados tem um carinho maior com ele, porque foram nomeados pessoalmente pelo Prefeito atual. Então, outro ponto para o Guilherme.

Em estado de choque a força de oposição está até agora. Falando em "bobagens", foi alegado aos quatro ventos que não haveria recurso à terceira instância do Judiciário. Já se fala no contrário, mas a eles tudo pode, tudo fortalece, tudo passa em branco. Então, mais um ponto para Guilherme.

Três pontos a favor e só um contra: Faltou ao Guilherme explicar o choque verbal entre o estado de greve e o estado de graça. Realmente pareceu que havia uma dicotomia entre as duas situações, quando na verdade havia um aspecto de informar sobre a greve e outro aspecto totalmente diferente que era informar a alegria, pelo resultado do julgamento em segunda instância, por parte dos servidores comissionados.

Nada que um bom diálogo não deixasse bem claro. Este governo, entretanto, não terá paz até o dia do Juízo Final de sua duração, determinada pelo povo. Nada passará em branco. Nada escapará ao olhar mordaz, à língua envenenada, ao propósito nada encoberto. Paciência e amparo mútuos, é o que posso recomendar.

E um truquezinho básico: deixar por escrito - e bem claro - o que é opinião pessoal e o que pode ser considerado manifestação semi-institucional (isso existe? que eu saiba a Instituição PMJM fala através de sua Assessoria de Comunicação em canais apropriados, e só!)

Assim, ainda que os abutres de plantão voejem do mesmo jeito, ninguém corre o risco de se precipitar em análise mal enjambrada, com consequências desastrosas. E ao Guilherme Assis fica o meu desejo de que ele se policie um pouco mais, só porque o mundo corporativo prevê um pouco de perda da liberdade individual, mesmo. É assim que funciona.

Quanto aos detratores, por favor, paciência. Se o projeto é assim tão ruim, deixem que desmorone por si só. Fazendo tanta força para minar-lhe os pilares, estão dando a impressão de que há solidez por ali e que tal fato os preocupa. Não se tenta solapar o que não se teme, senhores...

Vamos lá, gente. Vida pra seguir e trabalho pra desenvolver, todos temos.

2 comentários:

Anônimo disse...

SOU FUNCIONÁRIO PUBLICO CONCURSADO E EFETIVO, E POR ISSO ME SINTO NO DEVER DE DIZER A VOCÊ E AO GUILHERME DE ASSIS QUE NÓS FUNCIONÁRIOS EFETIVOS É QUE SEMPRE ESTAMOS EM ESTADO DE GRAÇA. QUER SABER O MOTIVO?
PODE ENTRAR PREFEITO E SAIR PREFEITO QUE CONTINUAREMOS A LEVAR NOSSAS VIDAS, SEM PRECISAR DE PUXAR SACO PARA TER NOSSOS SALÁRIOS NO FINAL DO MÊS.
ESTAMOS EM ESTADO DE GRAÇA COM ESSE PREFEITO QUE NÃO OFERECE CONDIÇÕES DIGNAS DE TRABALHO E SEQUER UM SALÁRIO DECENTE, UMA VEZ QUE QUANDO ERA ADVOGADOZINHO DO MEDÍOCRE SINTRAMON VIVIA DEFENDENDO UM AUMENTO MAIS DIGNO.
ESTAREMOS EM ESTADO DE GRAÇA QUANDO DAQUI A DOIS ANOS E MEIO ESSA TURMA SAIR DA PMJM JUNTAMENTE COM ESSE QUE SE DIZ PREFEITO.
ESPERO QUE OS CARGOS COMISSIONADOS NÃO FIQUEM EM ESTADO DE CHOQUE.
ESPERO QUE OS SEUS CONSÓRCIOS E PRESTAÇÕES NÃO ULTRAPASSEM O PRAZO DE DOIS ANOS E MEIO, POIS COM CERTEZA ESSA TURMINHA AI NÃO VOLTA MAIS.

Célio Lima disse...

Respostas, só com a necessária identidade. Porque anônimo pode ser qualquer um e qualquer coisa. Pode se identificar em privado, e eu não revelarei sua identidade, pois não é do meu caráter. No mais, sinta-se livre para continuar lendo o Drops e divergindo de mim. Isto produz um ambiente melhor para todos vivermos.