sexta-feira, 20 de agosto de 2010

Retratos de um país não acontecido


Olha, não vou perder tempo explicando que adoro o Brasil. Jamais pus meus pés para fora dessas fronteiras. Tive as oportunidades e não as quis. E tenho inclusive parentes morando há mais de vinte anos fora, o que significa que tenho respeito pelos brasileiros que tentaram outros rumos. Mas amo mesmo é aqui.

Mal comparando, deve haver no Brasil milhares de Donas Carmem, que por suas mãos abençoadas colocaram muitos de nossos irmãos no mundo. Deve haver muitas Donas Luzia do Cartório, que por suas mãos colocaram muitos de nossos irmãos num caminho mais digno.

Deve haver muitos Antônio Gonçalves e muitos Bio, muitos Leonardo Diniz e muitas Donas Maria da Lavagem. Deve haver muitos outros que não vou enumerar porque senão faltaria espaço na Internet para caber.

É só para ficar bem claro: o amor que tenho por Monlevade é o amor que tenho pelo Brasil.

Então, não consigo acreditar no que meu país apronta, de vez em quando. Vejo retratos de um destino não acontecido, de uma realidade incompleta, de um sonho possível que não se concretiza.

E sinto falta do que não vejo, por mais inusitado que isso possa parecer. Nem se trata de sentir falta do que não conheço, mas daquilo que já existia e foi abandonado na caminhada do Brasil.

Vou citar uns poucos exemplos, tomando cuidado para não mencionar nada que não devesse ser naturalmente superado pelo progresso e pela modernidade:

Transporte por ferrovias - Era o caminho natural para um país que tem quase o tamanho de um continente - ABANDONADO

Solução? Fala-se de um trem de alta velocidade, ao custo de possíveis 40 bilhões de reais, ligando São paulo ao Rio de Janeiro. Este mesmo custo ligaria o Brasil ao Brasil inteiro, com ferrovias tradicionais mas de bitola moderna, ou seja, boas velocidades e custo baixíssimo de operação.

Educação de resultados - Voltada para, SEM LIMITAR O ACESSO UNIVERSAL, filtrar os estudantes dotados de maior mérito para torná-los pesquisadores e cientistas, multiplicadores do conhecimento especializado. Conhecimento é dinheiro e progresso, mas no Brasil foi... ABANDONADO

Solução? Entregar diplomas a quem passe por um filtro mínimo, quando não inexistente. Mudam os indicadores estatísticos, mas o destino final do país não mudará à base de diplomas vazios.

Política de seriedade e austeridade - Ninguém é tolo de imaginar que nunca aconteceu. Se fosse este o caso, estaríamos quase todos empunhando enxadas e ancinhos. Com dignidade, mas sem progresso de conhecimentos científicos e técnicos. Caminhamos pouco porque jamais se tratou o processo de filtragem de agentes políticos com o vigor necessário. Porque este processo iria contra interesses muito obscuros, foi ABANDONADO.

Solução? Deixar que Tiriricas, Maguilas e Mulheres-fruta, que gerenciaram "tão bem" as próprias carreiras, se coloquem como possíveis gerenciadores do futuro brasileiro. Que Deus tenha piedade de nossos destinos, porque gente deste naipe não terá...

Paro por aqui. A construção destes retratos não é tarefa para alguém fazer sozinho. Deixei poucos exemplos do que percebi ao longo dos anos. Eu amo o Brasil. Mas preciso que o Brasil aprenda a me amar um pouquinho também, e a todos os filhos que o amam da mesma forma.

Do jeito que está, onde o Brasil me vê como um ativo a ser explorado, onde o Brasil dá aos pobres o que tira de mim e dos meus filhos, como se os pobres inertes fossem coitados e eu e meus filhos meros ladrões de vidas alheias, não existe outra conclusão: fui ABANDONADO.

E muitos outros brasileiros como eu foram. Solução? Pegar aqueles retratos e fazer deles um acontecimento concreto, real, visível em nosso futuro. Como estamos, penso que não há meio de ficarmos. Não mais.

2 comentários:

Marcelinho disse...

Caro amigo Célio,
vejo que nossa geração Areia Pretense, Vila Tanquense, e demais cidadãos dos bairros mais antigos desta nossa Monlevade possui a mesma sensibilidade e o mesmo olhar.
Trêis são os pilares fundamentais à uma boa administração, seja ela municipal, estadual ou federal.
EDUCAÇÃO, SAÚDE (não somente as doenças) e TRANSPORTE.
E você reportou muito bem o ABANDONO TOTAL dos trêis pilares. E pior, nas trêis esferas do poder executivo.
Este post é DÍGNO de um EDITORIAL em um grande jornal.
Permita-me, apenas, discordar do título, o qual (eu acho) deveria ser:
Retratos de um povo não acontecido.
Seus pensamentos, aqui postados, são como uma profunda reflexão, mesmo que alguém, ou alguma passagem não venha de encontro com o que se pensa.
Gostaria de postar, no Bocão do Púlpito, esta reflexão, e peço-lhe permissão para isto.
Desde já manifesto-lhe minha profunda admiração pelo seu caráter, sabedoria, sensibilidade, que hoje em dia, são raros.
Abraços.

Célio Lima disse...

Agradeço o comentário, amigo Marcelo. Pode publicar, mas este estará no Jornal Bom Dia de amanhã, também. Não poderei te conceder esta "exclusiva", rs.