quarta-feira, 9 de fevereiro de 2011

Dossiê 381 adiantado

Passados dez dias da reunião na AMEPI sobre a BR 381, o manual técnico indicativo que me comprometi a fornecer para os Prefeitos está em fase de finalização. Lembro-me que pedi cerca de vinte dias de prazo, justamente para que minha agenda pessoal não interferisse com o compromisso assumido.

Não poderá se tratar de um documento único, não será completo nem definitivo. Para isso seria necessária uma estrutura de pesquisa de campo que poucas organizações no Brasil teriam condições de oferecer. Uma prova irrefutável dessa afirmativa é o pagamento de R$ 120.000,00 realizados a uma organização que elaborou um documento de 04 (ISSO MESMO, QUATRO) páginas para um projeto de execução de obras na malfadada rodovia.

A trinta mil reais por página, a AMEPI estará me devendo cerca de 1 milhão de reais daqui a um tempinho. Mas ao contrário de certos brasileiros, o meu pagamento poderá ser constituído pela leitura, pela análise e pelo engajamento de nossos Prefeitos em uma causa muito maior. E isso não tem preço nem Mastercard que pague.

É provável e muito possível que na Sexta-Feira, dia 10, eu o entregue na sede da AMEPI para distribuição aos Senhores Prefeitos. A partir daí, peço que todos que tenham a possibilidade o repassem a uma assessoria minimamente qualificada para análise e depuração. 

O resultado esperado é que nossos Prefeitos, caso obtenham sucesso em se encontrar com os altos dirigentes em Brasília, estejam falando uma só linguagem. Pode até ser simplificada, mas será pelo menos embasada e uníssona. Falando uma só linguagem, demonstrarão união e convergência de objetivos. É pouco? É, mas já é mais do que fizemos até agora. No caso da 381, cada pequeno passo tem que ser muito comemorado.

E não tenho tanto tempo assim, mas posso auxiliar aos que necessitarem de um pouco mais de explicações de natureza técnica, numa linguagem mais simples e fácil de reproduzir. Se eu tivesse autoridade política, aconselharia a todos que não se preocupassem em falar bonito, mas em se expressar com segurança naquilo que precisamos.

Temos que lembrar sempre: na hora em que essa estrada começar a levar embora, além das nossas famílias, a nossa capacidade de ter esperança e de lutar contra o genocídio de brasileiros, aí vamos ter perdido a guerra de uma vez para sempre.

4 comentários:

Ana Repolês disse...

Caro Célio,
oxalá o que você escreveu no final desse texto não aconteça. Sem esperança e sem entusiasmo somos apenas mortos que se fingem vivos.
Mas que beleza, você realmente está sendo peça chave nesse projeto audacioso em que tantos já estão descrentes pelos resultados nulos conseguidos até agora. Sua lógica, coerência e profissionalismo se casam com as boas idéias de outros e com o embate político que essa articulação exige. Particularmente eu lhe digo: obrigada! Você está fazendo, e muito bem, a sua parte. Que cada um de nós façamos também a nossa. Quem faz o que pode, faz o que devia.
Abraços,
Ana Maria

Célio Lima disse...

Obrigado pelas palavras, Ana. Eu só preciso desconstruir um pouco as expectativas, no sentido de que vou fazer alguma diferença. Sozinho, não vou fazer diferença nenhuma. Nenhum de nós vai.

E vou decepcionar um pouco as pessoas, como é comum acontecer, quando se é de carne e osso. Mas vou me levantar junto com as pessoas, como é comum acontecer quando se está entre gente solidária e compreensiva. Tenho certeza de que mais gente vai dedicar algumas horas a esta jornada. Ela é justa é suplanta qualquer interesse individual.

Com um pouquinho de tempo de doado por parte de cada um de nós, o tempo de trabalho total aumenta muito e as chances de sermos ouvidos também.

Não podemos é desistir, em tempo algum. Cada família que desabou merece nosso esforço. Nem que seja arrebentando os ossos e os músculos nessa luta, porque se ela não valer a pena então pouca coisa mais valerá.

Marcelinho disse...

Caro Amigo Célio,
estou a disposição para ajudar-lhe no que for preciso.
Solicite.
Abraços.

Pedro Paulo disse...

Célio,

Fico extremamente feliz que cabeças pensantes estejam caminhando no mesmo rumo.
Espero que todo seu esforço não seja em vão.
O Eduardo Quaresma, conhecedor profundo das mazelas da 381, tanto nos campos politicos e projetos técnicos, que proporcionou esta reunião, poderá junto aos Prefeitos ao longo da BR, reunir forças para chegar em Brasília e apresentar aquilo de melhor teremos de soluções para esta carnifina que é a BR.

E veremos se nosso governante saia da inércia que se encontra e abraçe esta causa.

SDS.

Pedro Paulo Gomes Costa