sábado, 16 de abril de 2011

Batendo no governo, eu?

Um anônimo me enviou um comentário com três toneladas de insultos pessoais e uma pergunta: porque você está batendo no governo?

Bem os insultos pessoais impediram a publicação do comentário, por razões óbvias. Quanto à pergunta, segque o esclarecimento:

Não estou batendo no governo. Simplesmente não há governo para bater. Estou flagelando o comando administrativo, acompanhando as centenas de colaboradores internos e a própria cúpula, que age como os fanáticos religiosos adeptos do auto-suplício.

Faço-o por razões de cretinismo. Financiei esta cúpula administrativa por duas vezes neste ano de 2011, mesmo já abertamente contrário à ela. O primeiro financiamento foi institucional e cidadão: paguei o IPTU marombado sem reclamar e no dia útil seguinte ao que recebi meus carnês de cobrança. Não pagar seria covardia, porque o caixa municipal está em coma há um bocado de tempo.

O segundo financiamento foi pessoal e caridoso. Por ter sido pessoal, guardo-o para mim. Mas espero ver o ressarcimento dele, no tempo mais rápido possível, porque não sou milionário nem adepto das práticas que a cúpula administrativa atual teima em acreditar que são uma política sustentável.

Para acelerar o processo de ressarcimento, estou me juntando aos supliciadores. Assim que houver uma ação afirmativa e proativa para regularizar este débito vergonhoso e insano, volto ao meu cantinho e deixo a tarefa de desconstruir a administração atual a cargo dela mesma. É insubstituível nessa tarefa.

Um comentário:

Dias disse...

Olá Célio, saúde e paz.

Tenho certeza de que você tem a consciência tranquila do que faz e do que diz. Isso fica claramente demonstrado em suas postagem que, aliás, são exemplos de consistência e coerência de pensamento.

Siga sua sina de contribuir para reflexões contextualizadas sobre nossa cidade.

Ademais, dê uma banana para os anônimos, pois estes não merecem atenção!!!

Um abraço,

Professor Dias.